Receba nossas informações!

Formação de líderes

5 de julho de 2016, às 10:48

Betania Tanure

Não se trata de jogo de palavras. Entre o desenvolvimento de líderes e o de executivos há diferenças fundamentais, embora ainda pouco consideradas por boa parte das grandes instituições de educação executiva, tanto nacionais como internacionais.

Empresas, escolas e indivíduos mostram-se cada vez mais convictos de que não se pode falar em competitividade sem abordar a questão da liderança. O desenvolvimento de líderes agrega valor à organização, além de se constituir em uma poderosa estratégia de retenção de talentos.

Portanto, deve estar no topo da lista de ações relacionadas à competitividade na empresa. Odebretch, CPFL, Banco Real ABN AMRO, Samarco e Braskem são alguns exemplos de organizações com essa orientação. Não se pode negar que desenvolver pessoas é uma tarefa complexa. Mas há alguma virtude na velha ideia de que, para entender algo muito complexo, devemos nos voltar a seus princípios básicos. No que se relaciona ao tema deste artigo, podemos tomar como ponto de partida a seguinte questão: há, ou deve haver, diferença entre o processo de desenvolvimento de líderes e o de executivos? E para responder a ela temos de analisar as características dos dois processos.

Assim, discutimos aqui as premissas e as principais estratégias de desenvolvimento de executivos e de lí- deres, apresentamos ambos os conceitos e os analisamos em contraposição à educação executiva atualmente disponível no mercado. Nossas pesquisas revelam alguns pontos distintos entre os dois conceitos, e incluímos esses dados na discussão. Antes, porém, vamos a alguns aspectos da conceituação de liderança que são importantes para enriquecer esta análise.

A boa liderança. O conceito de liderança é culturalmente influenciado e, portanto, está sujeito a tendências e estilos variados. Pode-se incluir entre as características da liderança a ação transformadora, visionária, carismática, alardeada em várias esferas. Mas fica a questão: em diferentes culturas, quais denominadores comuns nós encontramos acerca da boa liderança? Duas pesquisas que realizamos recentemente, uma em parceria com Robert House, da Wharton University, e a outra com Sumantra Ghoshal, da London Business School, demonstram que, de fato, algumas características são comuns a vários países, enquanto outras têm diferenças cross-culturais significativas. Entre os aspectos comuns, observou-se que só é líder aquele que consegue que outros permitam ser liderados por ele – no sentido da permissão interior de cada indivíduo, e não do uso da autoridade hierárquica.

Clique aqui e continue lendo o artigo.